Imprimir

MANA
Amor Clandestino (En Portugués)

0 

Você é inevitável amor
Quase como respirar,
Quase como respirar.

Cheguei na tua praia tarde demais
Mas não me rendo
Sou teu amor clandestino,
Sou o vento sem destino
Que se mete por tuas pernas, meu amor,
Um sonhador, um clandestino
Que burla até com a vida, meu amor
Clandestino. Amada, amada, amor.

Não, não não não

Meu amor clandestino no silêncio, a dor,
O céu despenca sobre nós de tanto esperar.
Inevitável quase como respirar
O céu despenca sobre nós
De tanto esperar
Clandestino.

O universo conspirou inevitavelmente coração
Clandestino eterno amor

Mas me dói demais não gritar teu nome com toda liberdade,
Por ter que calar

E sonho tua pele na minha
E come teu sorriso amor
Mergulhafundo no calor
Que há em tuas músculos, em teu mar
Chorando em silêncio, sentindo tua ausência
Rogando ao céu e fingindo estar muito bem

Não, não não não

Meu amor clandestino no silêncio, a dor,
O céu despenca sobre nós de tanto esperar.
Inevitável quase como respirar
O céu despenca sobre nós
De tanto esperar
Clandestino.

Deixa de fingir, já não minta,
já passou, já passou.
Faz assim: já não tenha medo,
você é dona da minha respiração

Faz tanto que eu esperava o vento amor
O céu chora lagrimas de esperar.
Faz tanto que eu esperei tua luz amor
Ai amor, Ai amor Ai amor!

O céu despenca sobre nós
O céu despenca sobre nós de tanto esperar
Meu amor, deixa de fingir
Não minta, coração
O céu despenca sobre nós de tanto esperar
Entende amor

Contenido Creado y editado por
EKIRAH

Canciones con Inicial

BIOGRAFIA DE MANA

..

LETRAS DE OTROS USUARIOS